Quem manda aqui NÃO sou eu! – Por Mari Patzer

Você provavelmente já ouviu essa frase da sua mãe: “Fulana, quem manda aqui sou eu!” Essa é uma daquelas frases que nós mães falamos sem nem pensar. Com uma bebê, já falei algumas vezes para ela quando não queria me deixar trocar a fralda. Não estou dizendo que isso é ruim, mas que é corriqueiro e sempre escapa. E é certo que nós mães, junto com os pais, somos autoridades sobre a vida dos filhos. Nós “mandamos” nos filhos, mas afinal, quem é que manda na gente? Você já pensou sobre isso?

Hoje temos muito acesso a informação e a forma como podemos formar a nossa opinião. Se você sentar para conversar com outras mães você com certeza ouvirá dicas e palpites de como devemos agir e ser. Existe essa troca de experiência. Mães dividem questões de comportamento, disciplina, o que é certo ou errado, ou a melhor maneira de educar. Em nossa volta, tudo pode influenciar: é a mídia, a bagagem que trazemos da forma como fomos criadas, as outras mães.

Quando o povo de Israel ainda estava peregrinando no deserto, o Senhor Deus deu a eles os primeiros cinco livros da Bíblia – Gênesis, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio. Esses cinco livros tinham por objetivo instruir o povo e instruir os pais e as mães que já existiam em passar de uma geração a outra o amor a Deus. Em Deuteronômio 6 temos essa ordem que pais devem instruir seus filhos, mas o capítulo começa dizendo o seguinte (v.1):

“Esta é a lei, isto é, os decretos e as ordenanças, que o Senhor, o seu Deus, ordenou que eu ensinasse a vocês, para que vocês os cumpram na terra para a qual estão indo para dela tomar posse”.

O povo de Israel havia recebido do Senhor as leis que deveriam obedecer e cumprir e que os marcariam como o povo de Deus. Nós como cristãos temos a Lei do Senhor: a Bíblia. O Senhor nos deu a sua Palavra para nos ensinar, nos instruir, nos corrigir e nos mudar (2 Timóteo 3.16). A mesma finalidade ainda é válida para nós. Temos a Palavra para obedecermos e nos marcar como povo de Deus. Entretanto, muitas vezes prestamos atenção apenas no versículo 7 desse capítulo e deixamos de notar o versículo anterior (v.6).

“Que todas estas palavras que hoje lhe ordeno estejam em seu coração”.

Antes de mandar em nossos filhos e até ensiná-los a Palavra, o Senhor precisa mandar nas nossas vidas. A Bíblia, a Lei de Deus, precisa estar em nosso coração. Os nossos valores, princípios e regras devem vir da Bíblia. A nossa forma de ensinar e repreender deve vir da sabedoria da Bíblia. A Lei do Senhor deve estar no nosso coração e quem nós somos como pais deve ser transformado a partir da Bíblia e assim, então, conseguiremos colocar em prática o versículo 7: “Ensine-as com persistência a seus filhos”.

Infelizmente, o povo de Deus está caindo no mesmo erro que o povo de Israel. O povo de Israel não seguia a Deus de todo coração, mas sim, conforme o que era conveniente. Eram muitos sacrifícios que se cumpriam, partes do Pentateuco decoradas e até leis que se guardavam, mas não passava de aparência. Hoje, o povo de Deus tem ido às igrejas regularmente, ensinado aos filhos cantar “Três palavrinhas só” e levado para as crianças para as escolas bíblicas de férias, mas não passa de conveniências.

Isso se prova na forma como temos educado nossos filhos e como colocamos qualquer filosofia e experiência acima da autoridade da Palavra. Ouvimos tanto dentro das igrejas “com o fulano deu certo, por que com o meu filho não?”, mas não vemos pais muitas vezes aplicando a disciplina bíblica. Justificamos os pecados dos nossos filhos em vez de trata-los com a seriedade que deveria.

Estamos sendo pais mandados pelas influências externas, e não instruídos pelo Pai que é o verdadeiro amor.Ser pais que obedecem as Escrituras não está na moda e nem é fácil, isso porque vamos contra a direção da maré desse mundo. Entretanto, temos nas mãos o bastão do Evangelho que devemos repassar as próximas gerações e a oportunidade de dar aos nossos filhos a verdadeira alegria, que é Cristo Jesus.

Ser uma mãe que é mandada pela Palavra de Deus vai exigir de mim muitas coisas. Exigirá que o meu coração e o meu caráter estejam sempre diante do Senhor para que Ele me transforme. Exigirá que eu busque conhecer as Escrituras e saiba dar razão da minha fé. Exigirá que eu abra mão da minha experiência e daquilo que eu faço e coloque a minha confiança nas promessas de Deus e naquilo que Ele faz.

Nossos filhos são pecadores e precisam da graça e da salvação de Cristo assim como nós. Hoje estamos fazendo escolhas pelos nossos filhos que irão refletir no futuro deles. Se escolhermos viver pela nossa própria vontade, nossos filhos já nascem sabendo escolher as suas próprias vontades. Precisamos escolher a autoridade de Cristo e assim, nossos filhos podem aprender conosco a obedecerem ao Senhor. Nós mandamos nos nossos filhos, mas Cristo, através da Bíblia, precisa ser quem manda em nós.

2 comentários sobre “Quem manda aqui NÃO sou eu! – Por Mari Patzer

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s