Sororidade

No último domingo, estava dando aulas paras as minhas adolescentes pela manhã e elas estavam me contando de uma briga que aconteceu entre duas mulheres. Uma delas soltou esta palavra “sororidade”, eu confesso que fiquei pensativa sobre o assunto. Primeiro porque minhas adolescentes estão ouvindo sobre isso, que está intimamente ligado ao movimento feminista, então já está nos meus planos para a nossa próxima aula conversarmos um pouco sobre a história do movimento feminista, seus impactos, o que ele representa hoje e o que tudo isso pode concordar e discordar com a Bíblia.

Segundo, pensei sobre o que esta palavra significa hoje, no nosso século e para a nossa geração. Fiz minhas pesquisas e descobri que a Sororidade está ligada a solidariedade, empatia, companheirismo e respeito com outra mulher ou como a raiz latim da palavra diz, “irmã”.
O movimento feminista atual prega a ideia de apoiar outras mulheres, até aí não tenho problemas, meu grande questionamento é que esse apoio vai até onde?
Recentemente um caso de traição no meio artístico veio a tona e a falta de sororidade de outras mulheres, trouxe essa palavra a famosa “modinha”.

Para explicar melhor o meu ponto de vista… eu tenho uma amiga de infância, melhor amiga até hoje que é uma das pessoas mais diferentes de mim que eu conheço, temos gostos diferentes, jeitos, temperamentos, reações, sonhos, enfim, muitas coisas diferentes. E apesar de eu amá-la como minha irmã, nunca passei a mão na cabeça dela quando a via tomando decisões erradas, pelo contrário, dava cada puxão de orelha! Mas isso só fortificou a nossa amizade. Minha questão com a sororidade feminista é o passar por cima de tudo, sem julgamentos, porque afinal precisamos nos apoiar acima de tudo, por uma causa maior… não penso assim e não vejo a bíblia nos advertindo a fazermos o mesmo!

Estou fazendo um estudo sobre “Relacionamentos Intencionais” que a Fran do blog Graça em Flor publicou e é um assunto que eu venho conversando com o meu marido, sobre sermos intencionais nas nossas amizades e conversas, sermos profundos. Quando nos relacionamos de forma profunda com alguém, nos colocamos em um lugar de fragilidade, onde mostramos nossas fraquezas, deixamos ser conhecidas como realmente somos. E eu vejo na bíblia que a verdadeira amizade é aquela que me ajuda a endireitar meus passos, tomar decisões acertadas, que me adverte com amor, que aponta meus erros e me oferece a mãos para caminharmos juntas, eu acredito que a verdadeira “sororidade” se é que podemos usar essa palavra, é aquela que se adequa a verdadeira amiga cristã.

A verdadeira amiga cristã se torna uma irmã na adversidade (Provérbios 17:17), ela nos exorta por lealdade e não nos deixa errando e aplaude (Pv. 27:5-6), ela não te corrompe, mas estimula a ser melhor (1 Co 15:33), é um eterno afiar e refinar (Pv. 27:17). Que possamos ser “irmãs” na verdade e de verdade, não por modinha, não por um apoio vago a ideais não bíblicos, mas para crescermos e juntas aprendermos a como glorificar o nosso Senhor.