O livro físico da Série Manu chegou!

Vocês sabem há quanto tempo eu tenho sonhado com os livros da Série Manu, comecei soltando alguns capítulos para vocês aqui no blog e depois liberei o E-book gratuito par download do primeiro livro, chamado: “Um Ano para Mudar todos os Outros!”, mas sabe quando o sonho ainda não está completo? Hoje, porém, quando abri a caixinha do correio ele estava lá… meu primeiro filho! hahaha

“Um Ano Para Mudar Todos os Outros” em livro físico! Semestre que vem teremos o lançamento dele e também do segundo livro da Série Manu que se chamará “Montanha-russa”, estou animada para ver vocês acompanhando mais essa história da Manu! Espero que esse trabalho seja benção na vida de cada uma que ler!

Gratidão ao Senhor que realiza sonhos!
WhatsApp Image 2019-06-28 at 13.03.09

Podcast do Papo – Episódio 1

Depois de longos anos pensando e aprendendo a respeito de ministério e tentando aplicar algumas coisas no Papo de Guria, em uma tarde bem gostosa de café, frio e conversa com amigos queridos @paulacoutinhoo e @diogoshimada veio a ideia do Podcast! Sim! Era aquilo que eu estava esperando, aquilo se encaixava perfeitamente para responder aos meus questionamentos ao longo desse tempo! E por isso resolvi começar! Ainda estamos nos adaptando a essa nova fase, mas que tal ouvir o nosso primeiro e me contar o que vc achou? Espero que curta! E @paulacoutinhoo muito obrigada por deixar Deus te usar pra de alguma forma me dar uma resposta! Mulheres cristãs ajudando mulheres cristãs… relacionamentos intencionais para que cresçamos juntas na Graça, é para isso que o Papo de Guria está aqui!

Sororidade

No último domingo, estava dando aulas paras as minhas adolescentes pela manhã e elas estavam me contando de uma briga que aconteceu entre duas mulheres. Uma delas soltou esta palavra “sororidade”, eu confesso que fiquei pensativa sobre o assunto. Primeiro porque minhas adolescentes estão ouvindo sobre isso, que está intimamente ligado ao movimento feminista, então já está nos meus planos para a nossa próxima aula conversarmos um pouco sobre a história do movimento feminista, seus impactos, o que ele representa hoje e o que tudo isso pode concordar e discordar com a Bíblia.

Segundo, pensei sobre o que esta palavra significa hoje, no nosso século e para a nossa geração. Fiz minhas pesquisas e descobri que a Sororidade está ligada a solidariedade, empatia, companheirismo e respeito com outra mulher ou como a raiz latim da palavra diz, “irmã”.
O movimento feminista atual prega a ideia de apoiar outras mulheres, até aí não tenho problemas, meu grande questionamento é que esse apoio vai até onde?
Recentemente um caso de traição no meio artístico veio a tona e a falta de sororidade de outras mulheres, trouxe essa palavra a famosa “modinha”.

Para explicar melhor o meu ponto de vista… eu tenho uma amiga de infância, melhor amiga até hoje que é uma das pessoas mais diferentes de mim que eu conheço, temos gostos diferentes, jeitos, temperamentos, reações, sonhos, enfim, muitas coisas diferentes. E apesar de eu amá-la como minha irmã, nunca passei a mão na cabeça dela quando a via tomando decisões erradas, pelo contrário, dava cada puxão de orelha! Mas isso só fortificou a nossa amizade. Minha questão com a sororidade feminista é o passar por cima de tudo, sem julgamentos, porque afinal precisamos nos apoiar acima de tudo, por uma causa maior… não penso assim e não vejo a bíblia nos advertindo a fazermos o mesmo!

Estou fazendo um estudo sobre “Relacionamentos Intencionais” que a Fran do blog Graça em Flor publicou e é um assunto que eu venho conversando com o meu marido, sobre sermos intencionais nas nossas amizades e conversas, sermos profundos. Quando nos relacionamos de forma profunda com alguém, nos colocamos em um lugar de fragilidade, onde mostramos nossas fraquezas, deixamos ser conhecidas como realmente somos. E eu vejo na bíblia que a verdadeira amizade é aquela que me ajuda a endireitar meus passos, tomar decisões acertadas, que me adverte com amor, que aponta meus erros e me oferece a mãos para caminharmos juntas, eu acredito que a verdadeira “sororidade” se é que podemos usar essa palavra, é aquela que se adequa a verdadeira amiga cristã.

A verdadeira amiga cristã se torna uma irmã na adversidade (Provérbios 17:17), ela nos exorta por lealdade e não nos deixa errando e aplaude (Pv. 27:5-6), ela não te corrompe, mas estimula a ser melhor (1 Co 15:33), é um eterno afiar e refinar (Pv. 27:17). Que possamos ser “irmãs” na verdade e de verdade, não por modinha, não por um apoio vago a ideais não bíblicos, mas para crescermos e juntas aprendermos a como glorificar o nosso Senhor.

ESCOLHA PELO QUE VALE A PENA “BRIGAR”…

“Brigar”está entre aspas porque não estou falando de barraco, mas sim daquelas discordâncias, chateações, diferenças que acontecem quando se vive em um relacionamento a dois.
Quem vê essa carinha de “PAZ” da foto, não imagina que esse serzinho aí tem um “coraçãozinho peludo” (como meu marido costuma chamar as reações pecaminosas que meu coração tem 😂). Antes de casarmos eu ficava muito chateada com muitas coisas, era ciumenta, implicava com a nossa falta de comunicação (porque namorávamos a distância)… enfim, era chato! Eu era chata!
Mas chegou uma hora (que a maturidade vem aparecendo) que eu precisava melhorar, precisava mudar, então comecei a perguntar “será que isso vale realmente a pena eu implicar, brigar e etc? Ou é algo que posso relevar?” Fazer essa reflexão, me ajudou muito! Além disso, há um pecado enraizado dentro dessas reações de chateação e implicância… chama egoísmo! Será que eu fico chateada porque as coisas não estão acontecendo como DEVERIA ou não estão acontecendo como EU gostaria? Do MEU jeito? Eu acredito muito no diálogo, tem coisas que chateiam e que precisam ser conversadas e resolvidas. Mas tem outras que muitas vezes são meros “caprichos” do meu “coraçãozinho peludo”, para o bem do nosso relacionamento e para ter “discussões” saudáveis, precisamos escolher melhor as nossas batalhas, escolher o que realmente vale a pena o desgaste da chateação. Eu acredito que a discordância é importante e gera maturidade para o casal, por isso acho que toda “briga” deve ser bem resolvida, conversada e perdoada para que vocês possam sempre RECOMEÇAR, afinal o perdão é o cultivo necessário do amor! Mas tem outras coisas que RELEVAR é possível e muitas vezes é até a melhor opção!

NÃO VOU AGRADECER MEU MARIDO PORQUE ELE LAVOU A LOUÇA…

Já ouvi mulher com posicionamento igual a esse de cima, afinal a casa também é dele e é dever dos dois.
Concordo com a afirmativa de que a casa é dos dois mas não concordo com esse posicionamento acima (em letras garrafais).
Essa é uma das tantas ideias que o feminismo do nosso século (superioridade e não igualdade) trouxe! Eu entendo a cultura, eu entendo a parceria que há entre os casais para serviços de casa, criação de filhos, sustento do lar e apesar de entender essa parceria, compreendo também que biblicamente há funções de maior responsabilidade para cada um, e isso tem a ver com os papéis que Deus designou para o marido e para a esposa dentro do casamento. Mas o que eu não entendo é não amar e agradecer quem cuida de você! Meu marido me agradece por eu cuidar do nosso lar (tenho mais tempo e disponibilidade para fazer mais) enquanto ele, no papel que Deus o colocou hoje, provê o sustento, planeja e investe no nosso futuro. Dói um pouco no nosso coração cheio de feminismo às vezes lidar com certas questões, principalmente quando você se casa e lida com os papéis no seu lar, para isso eu aconselho muita conversa de coração aberto a respeito de como um se sente em relação ao outro, mas acima de tudo tenha em mente de SERVIR ao seu cônjuge como se fosse para o Senhor, quando essa ideia preenche sua mente qualquer feminismo, machismo ou outros “ismos” que possam existir se dissipam. Sirva com amor a quem Deus colocou na sua vida para que você seja a relação mais próxima e íntima do verdadeiro amor, que vocês possam evidenciar o relacionamento de Cristo com a Igreja que foi sacrificial! .
.
Ahhhh @diegotescarollo brigada pela louça! ❤️